Avaliando os resultados

Na última Sexta-Feira, 19 de Outubro, a equipe do projeto Engenhoca Criativa, desenvolvido em parceria com a Explorum e apoio da Samsung, realizou um encontro em formato de oficina para promover uma reflexão sobre os resultados obtidos até o momento. A atividade aconteceu na sede da Explorum, e teve como mediador Fernando Filosoli, especialista em planejamento e avaliação.

O projeto Engenhoca Criativa, tem o objetivo democratizar o acesso às nova tecnologias, criando oportunidades para os jovens não só na área de programação, mas também de empreender seus projetos.

É importante olhar para os sentidos

Após as apresentações individuais, foi realizado um exercício que consistia em fazer uma analogia do projeto com uma árvore. Os seus frutos, eram as coisas boas que aconteceram e os espinhos simbolizam os problemas que surgiram no meio do caminho. Aos poucos os “frutos” do projeto foram aparecendo, segundo a educadora Alynne Nogueira, “É gratificar perceber o impacto na vida dos jovens, que antes não tinham acesso a tecnologia”.

 

Desenvolver projetos socioeducativos em regiões em periferias requer um olhar aguçado em todos os sentidos, para os educadores, lidar com jovens em situação de vulnerabilidade obriga o educador a abandonar os métodos tradicionais, pois não dão conta da realidade existente. Para o educador Fabrício Rodrigues, pode-se notar ao longo das aulas uma melhora no humor de muitos alunos “ Tem aluno que no começo nem bom dia nos dava, hoje vive sorrindo e participando das aulas” complementa ele.

Lidando com os espinhos

Levando em conta um projeto que lida com as emoções humanas, não se pode negar a existência de problemas ao longo do trajeto. Em uma outra parte da oficina, foram mostrados alguns percalços que surgiram e como eles foram contornados. Para os educadores, um passo importante para que tudo flua bem nos encontros, é identificar a personalidade de cada jovem, acolher os seus problemas pessoais sem tirar deles a autonomia para resolvê-los.

 

No processo educacional, saber conviver com o outro também é um processo de aprendizado, portanto, a metodologia do projeto deve levar em conta essa etapa da relação com os educandos e entre os educadores. Um exemplo apresentado foi a experiência de dupla docência, que segundo a avaliação de todos, vêm dando um bom resultado, mas é algo que exige uma construção coletiva, um aprendizado importante de como conviver com o outro em sala, sempre respeitando o espaço do outro e ao mesmo tempo interagindo de forma organiza em busca do bem comum.

 

O Engenhoca Criativa segue com seus encontros, democratizando o acesso das tecnologias nas periferias. Siga acompanhando as suas novidades em nosso site e no Facebook oficial da AlfaSol.